CREDISIS TOP APLICAÇÃO PREMIADA

IMARAL PNEUS

Buritis Agora - Notícias de Buritis e região

FIORI 15 ANOS

Terceira dose é necessária para combater as variantes da Covid, diz infectologista

Infectologista chamou a atenção de que o aumento do número de casos no Brasil é “muito maior” do que o reportado - © Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

JORNALRONDONIAVIP

05/07/2022 13h43

O Brasil vive uma nova onda de Covid-19, segundo o infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri.

Em entrevista à CNN Rádio, ele chamou a atenção para o fato de que “não estamos registrando a totalidade de casos, e há cada vez mais subnotificação, com as pessoas testando menos ou não reportando resultados de autotestes.”

“O aumento de casos é muito maior do que o reportado, todos nós conhecemos pessoas que estão com Covid-19, é um momento de maior circulação”, ressaltou.

Kfouri afirmou que o aumento também se reflete nos números de internações e mortes. “Voltamos ao patamar de 6 mil mortes por mês, e chegamos a reduzir para 3 mil, aproximadamente.”

Segundo o diretor da SBIm, a maior dificuldade neste momento é a “compreensão de que o esquema primário de vacinação é de 3 doses.”

“Temos boa parte da população somente com duas doses, mas, para a atual variante, a Ômicron, com as subvariantes b.a.4 e b.a.5, duas doses não são suficientes para proteção adequada”, completou.

O infectologista defende que, além de incentivar a vacinação com esquema completo, incluindo a quarta dose para quem já está elegível, é importante também “associar as terapias que temos registros, antivirais e anticorpos monoclonais”, especialmente para as pessoas que ficam vulneráveis mesmo com a vacina, a exemplo de transplantados e quem tem mais de 80 anos.

“Temos antivirais que funcionam, têm registro, mas estamos demorando para atender a população mais vulnerável.”

Renato Kfouri também alerta que não é possível banalizar o número de mortos diariamente pela Covid-19.

“Quando passamos de nível de 4 mil mortes por dia, para 200 mortes, parece sensação de tranquilidade, e tem se refletido no comportamento, como falta de uso de máscara, é um risco enorme, nenhuma doença infecciosa e prevenível por vacinação tem esses números”.

Por Amanda Garcia